Efeito colateral do uso de anabolizantes e óleos injetáveis

“Cresce o número de pessoas que adere ao uso de esteróides anabolizantes para moldar o corpo e ganhar força, resistência e velocidade. Sem qualquer controle, o medicamento, apesar de ser proibido, é oferecido principalmente em academias de ginástica. Os danos causados por seu uso, entretanto, podem ser irreversíveis. O problema já está sendo visto como um caso de saúde pública”.

Introdução

A busca de corpos esculpidos à base de remédio está levando jovens de aparência saudável a um vício muitas vezes sem volta. O motivo é o uso dos chamados esteróides anabolizantes. Apesar de não haver estatísticas, sabe-se que vem crescendo o número de consumidores da droga. E não são apenas os atletas em busca de mais força, velocidade, e resistência dos músculos os únicos a usá-lo. Homens, jovens e mulheres que querem apenas ganhar massa corporal em pouco tempo também se deixam seduzir pelos efeitos da droga. O abuso desse medicamento não é novidade. O maior problema, atualmente, segundo especialistas, é a adesão às drogas nas academias convencionais.

“Muitas vezes, é o próprio instrutor quem chega para o aluno e diz que seu desenvolvimento chegou ao limite. Aí vem a sedução pelos anabolizantes”, explica Fernando Vítor Lima, professor da Universidade Federal de Minas Gerais e mestre em Treinamento Esportivo. Nas lojas de suplementos nutricionais, a situação não é diferente: “O charlatanismo é muito grande nesse meio. As pessoas receitam o produto como se soubessem tudo sobre ele. Quem compra, na verdade está pagando pelo sonho de um corpo perfeito, na verdade, de uma ilusão, porque os problemas ocasionados são muitos”, orienta.

Nos Estados Unidos, os anabolizantes já são considerados uma droga proibida, que só pode ser vendida com receita médica. Na Suécia, existem serviços que encaminham os usuários para tratamento, como se ele fosse um viciado em droga. No Brasil, segundo o professor, apesar da proibição de venda, a Vigilância Sanitária é falha e os esteróides continuam sendo consumidos em larga escala.

O uso indiscriminado desses esteróides teve início em 1930, com alguns fisiculturistas e atletas que buscavam desenvolvimento muscular rápido e melhora de performance. Com o passar dos anos, o uso se estendeu para esportistas amadores, frequentadores de academias e adolescentes.

O que são Esteróides Anabolizantes

Os anabolizantes são substâncias sintéticas similares aos hormônios sexuais masculinos e promovem, portanto, um aumento da massa muscular (efeito anabolizante) e o desenvolvimento de caracteres masculinizantes. A massa corporal aumenta porque eles aumentam a capacidade do corpo de absorver proteína, além de reter líquido provocando o inchaço dos músculos.

Geralmente, os anabolizantes, ou “bombas”, como também são chamados, são tomados oralmente em cápsulas/tabletes, ou injetados no músculo. Muitas vezes, as drogas são usadas em associação de até três tipos diferentes e em doses 100 vezes maiores que as preconizadas por tratamento médico. Anadrol, Oxadrin e Durabolin são alguns exemplos de esteróides.

Embora muita gente não saiba, o anabolizante tem uso na medicina, para casos de osteoporose, deficiência de crescimento, problemas hormonais masculinos, como o hipogonadismo. Entretanto, só é ministrado em doses terapêuticas e necessitam sempre de prescrição médica para serem adquiridos. “Os médicos receitam doses de, no máximo, 15 mg enquanto que os fisiculturistas chegam a tomar até 300 mg”, diz Fernando.

Consequências do uso de Anabolizantes

O efeito de um corpo saudável com os anabolizantes é apenas aparente. Está provado que seu uso só gera danos à saúde. Os efeitos colaterais das superdosagens são muitos. A pessoa pode desenvolver problemas no fígado, inclusive câncer, redução da função sexual, derrame cerebral, alterações de comportamento com aumento da agressividade e nervosismo, aparecimento de acne. Ao todo, 69 efeitos colaterais já foram documentados.

Em garotos e homens existe a diminuição da produção de esperma, retração dos testículos, impotência sexual, dificuldade ou dor ao urinar, calvície, desenvolvimento irreversível de mamas.

Em adolescentes de ambos os sexos, também pode ocorrer parada prematura do crescimento, tornado-os mais baixos que outros, não usuários de anabolizantes.
A parada brusca do uso de anabolizantes também pode produzir sintomas como depressão, fadiga, insônia, diminuição da libido, dores de cabeça, dores musculares e desejo de tomar mais anabolizantes.

O uso compartilhado de esteróides por seringas e agulhas não esterilizadas é comum e pode expor o indivíduo a doenças como Aids, hepatites B e C e endocardite bacteriana.

Caminho sem Volta

Segundo o professor Fernando, não se sabe até que ponto os problemas ocasionados pelo uso das “bombas” são reversíveis. “Os casos têm que ser analisados de forma isolada porque cada organismo reage de um jeito ao uso do esteróide. Em muitos casos, o nível de comprometimento das funções é tão grande que não há opção de cura. Várias pessoas já morreram por causa do uso indiscriminado dos anabolizantes”, adverte.

Por tantos riscos e inconvenientes, o uso indiscriminado de anabolizantes deve ser desencorajado, banido do meio esportivo. Para Fernando, a grande arma capaz de resolver esse problema são as campanhas educativas. ” O uso de esteróides já se tornou um caso de saúde pública. O governo tem que tomar providências”, completa.

Separamos algumas imagens de pessoas que sofreram sérias consequências devido ao uso dos anabolizantes, por isso, por mais que o caminho em busca de um corpo sarado seja díficil o que vale realmente a pena nessa luta  é malhar com saúde.

O RISCO AINDA MAIOR QUE O USO DOS ANABOLIZANTES: INJEÇÃO DE ÓLEOS

Parece irreal acreditar que algumas pessoas em busca da perfeição corporal sejam  capazes de injetar determinados tipos de óleos, isso mesmo, eles utilizam uma substância na forma química de óleo  via endovenosa,os riscos dessa prática são devastadores.

Um dos óleos mais utilizados por jovens que desejam um músculo mais avantajado é o ADE, um conjunto de substâncias utilizado para bois, cavalos, carneiros, porcos, que servem para suprir a deficiência de vitaminas no corpo do animal. Como um combustível, os jovens fazem um coquetel de substâncias e injetam nos músculos para um rápido crescimento, sem se preocuparem com os riscos que essa injeção pode trazer. (Tribuna do Norte)

O ADE, também usado pelos jovens, é um complexo vitamínico que pode causar necrose do músculo se mal aplicado. Pagnani contabilizou pelo menos 30 casos recentes de graves seqüelas decorrentes da má aplicação do ADE. Desde 1998, há pelo menos quatro mortes documentadas no país relacionadas aos anabolizantes. A associação prepara uma campanha contra o uso dessas substâncias. (Folha de S. Paulo)

Sem efeito anabolizante, o ADE provoca uma inflamação quando injetado no músculo. A substância fica “encapsulada” e infla o local, o que pode ser confundido com hipertrofia muscular. Pode causar necrose dos tecidos, amputação e até morte. (Folha Cotidiano)

Como funcionam

O que estas substâncias poderiam fazer pelo desenvolvimento muscular? A resposta é clara: nada. Nenhum desses compostos tem a capacidade de promover o anabolismo, muito pelo contrário o efeito mais claro de seu uso é a morte dos tecidos adjacentes.

Quando se aplica uma dessas drogas, apenas uma pequena parte é absorvida de imediato, o restante permanece estagnado no local. A grande quantidade de óleo é reconhecida pelo organismo como um corpo estranho dentro do músculo e, como meio de proteção, uma camada de tecido conectivo é formada em volta do óleo para evitar que ele se espalhe e cause mais danos. Ou seja, ao aplicar um desses óleos, não se está aumentando a massa muscular e sim criando uma espécie de tumor.

A inflamação aliada à presença dos óleos, leva ao aumento do volume no local, que permanece por alguns anos, até que o corpo consiga removê-lo totalmente ou, pior, até que ele destrua os tecidos e tenha que ser removido cirurgicamente.

Efeitos colaterais

O organismo pode não ser capaz de controlar adequadamente os processos lesivos decorrentes da presença do óleo, gerando uma progressiva destruição tecidual que leva ao comprometimento de toda a região, que culmina com a remoção cirúrgica dos tecidos mortos e, em casos extremos, leva a amputações. Apesar de parecer distante para muitos usuários, nos Estados Unidos, onde esta moda se espalhou e ganhou proporções absurdas, as amputações já ocorrem, e há quem diga que são relativamente comuns.

Outro problema grave é o próprio ato de injetar os óleos, o que normalmente é feito pelo próprio usuário ou por outra pessoa despreparada, sem nenhum conhecimento de anatomia. Normalmente os locais onde se aplicam as drogas são altamente vascularizados, como bíceps e panturrilha, o que aumenta exponencialmente o risco de se atingir ramos do sistema circulatório durante a aplicação. Caso esta substância caia na circulação o risco de morte é real e iminente, podendo causar embolias, ataques cardíacos, infartos, derrames cerebrais ou outros problemas graves (um renomado fisiculturista profissional atingiu uma veia enquanto aplicava um desses produtos e quase foi a óbito por complicações cardiocirculatórias). Também são relativamente comuns os casos onde se atingem nervos, levando a paralisias irreversíveis. (para quem acha que isto é um alarde irreal, recomendo que veja uma foto onde se mostra a quantidade de nervos, veias e artérias dos locais onde se aplica o óleo).

Considerações finais

Por ser uma prática leiga, obscura e sem nenhum controle, será muito difícil obter dados oficiais dos problemas advindos do uso de óleos para crescimento localizado, mas já se ouve muitos relatos de efeitos colaterais sérios, como morte, embolia, infartos, amputações, paralisias e necroses.

Além dos males diretos, a facilidade em obter um aumento do volume de determinado músculo através de injeções localizadas está criando verdadeiras aberrações. O uso desses óleos está fazendo com que se perca o bom-senso, sendo comum vermos braços desproporcionais ao tórax, com uma aparência e consistência que denuncia claramente que aquilo não é músculo.

SEPARAMOS ALGUMAS FOTOS DE EFEITOS GERADOS PELO USO DE ANABOLIZANTES E PELA INJEÇÃO INDISCRIMINADA DE ÓLEO COM FINALIDADE PARA USO ANIMAL, PARA QUE VOCÊS POSSAM VISUALIZAR OS REAIS DANOS CAUSADOS POR ESSAS PRÁTICAS


O treino correto e a alimentação disciplinada são meios valiosos não só de se obter benefícios estéticos, mas principalmente para se alcançar melhoras que atingem a saúde e outros aspectos qualitativos da vida. No entanto, as práticas saudáveis estão sendo substituídas por frascos de óleos. Usar artifícios que não trazem ganhos reais e, ainda prejudicam seriamente seu organismo é ignorância e não tem nada a ver com esporte, saúde ou com uma atitude racional e coerente.

86 comments

  1. laiane

    eu to muito preocupada pois meu namorado esta tomando,nao sei bem o nome mais eu digo a ele todos os dias que isso faz mal a saúde,mais ele n quer saber.mais tudo esta nas maos do senhor.espero que ele pare o quanto mais rapido possivel.

  2. david stanslaw rocha veras

    pqp!que lastima que ainda existam pessoas que pela futilidade da vaidade cometam atrocidades com seu próprio corpo burrice,vaidade ou só apenas mais um ato impensado? eu gosto de pensá que isso,é fruto de uma geração esquecida pelos abutres do governo.

  3. diihsantos

    olha eu uso M DROL da mais resultado ki aplicar anabolizante caçando morrer credo eu magrelo ki eu era pegava mulher facinho como tou agr to melhorando mais:D ate uma dona de banco tem rolo cmg agr bah , pois er esse mlk e doido aplicar isso no corpo falta, isso e so preguiça de entrar em uma academia :@ meu deus essas imagens deus me livre acontecer cmg (yn) isso nunka.

  4. Jorge Ferreira Da Silva

    Sempre malhei com o intuito de cuidar de minha saúde, hoje trabalho com suplementos e nutrição esportiva, porém tenho 42 anos e gozo de uma boa saúde o que se vê aqui é realidade, fazendo exames de rotina o meu cardiologista tinha acabado de consultar um rapaz de 19 anos que por excesso de esteroides já estava com problemas de circulação e cardiologioco.

    Que seja diferenciado o termo Anabolizantes, esteroides e suplementação.

    “Saúde é o que interessa, o resto…”

  5. 45 d braço

    esses efeitos de braços estourados nao tem nada a ver com o uso de anabolizantes, e sim de A.d.E.ah e antes q eu me esqueça tem q puxar muito ferro antes d pensar em usar esteróides anabolizantes.puro sensacionalismo seus frangotes mal informados.

  6. Italo

    Aí varios deles foram sim anabolizantes a oleo. Já os anabolizantes que nao a base de oleo e sim hormonal, sabendo dosar, não faz esses estragos ai nao. Ai mostra pessoas irresponsaveis que aplicaram anabolizantes a base de oleo com doses erroneas.
    Abraço a todos.

  7. Dan

    Muitas pessoas fazem confusão:
    Os óleos injetáveis NÃO são anabolizantes. O efeito deles é puramente estético. Simulam hipertrofia muscular.
    Os anabolizantes de verdade causam hipertrofia muscular verdadeira, além de uma série de efeitos colaterais.

  8. Sérgio

    Para o anabolizante fazer o sonhado efeito desejado, é preciso tomar-lo como se fosse um tratamento, e não como uma vitamina qualquer. por exemplo a Durateston é recomendada uma ampola por mês no máximo,tem pessoas que tomam 5 de uma vez, ai não braço que aguente! Além do mais injeções no braço (geral) é no máximo 3ml acima disso é nas nádegas(bunda) que também tem o seu limite!

  9. Duh

    Gente, favor usar o bom senso.
    Anabolizante é conhecido assim apenas por proporcionar aumento de massa muscular, porém esses MEdicamentos Anabolicos.. como dito,não passam de MEDICAMENTOS

    E a diferença entre o MEdicamento e o Veneno está na Dosagem.

    Então, vocês sempre darão de cara com noticias nesse estilo “espanta idiota”, mas.. quem realmente estiver interessado em ampliar seus conhecimentos com informações não apelativas, pesquisem mais.. vão em sites de fisiculturismo, e leiam bastante

    ps: não sou usuario de esteróides

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>